Bairros de Sampa | Minha Casa Verde

Casa Verde? Hã? Mas é perto de onde? De Santana?  Ah, tá…

É mais ou menos assim que começa uma conversa quando eu falo onde moro. Na verdade, hoje em dia a Casa Verde tornou-se mais conhecida por conta da Arena Anhembi (não me acostumei ainda com esse nome, mas é o Sambódromo), a Vila do Samba, as escolas de Samba, etc.

Eu me mudei para cá quando tinha onze anos e não fiquei muito feliz. Eu morava no Bom Retiro e adorava lá, era perto de tudo, tinha os meus amigos da rua e aqui não tinha nada disso. Mas com o tempo fui fazendo amigos na nova escola e a minha visão foi mudando.

Mas por que o bairro chama Casa Verde? De acordo com o site da Prefeitura de SP, a região era um grande sítio que pertenceu ao “rei” Amador Bueno, em 1641. Depois passou a ser propriedade do militar José Arouche de Toledo Rendon, descendente de Amador Bueno. Foi nessa época que a região ficou conhecida popularmente como “sítio das moças da casa verde” e sítio da casa verde. As moças eram as filhas de Rendon e a casa onde viviam era pintada da cor verde.

Em 1842 João Maxweel Rudge tornou-se proprietário da área da margem direita do Tietê; seus herdeiros em 1913 lotearam a região onde pretendiam criar o bairro como “Vila Tietê”, mas o nome não resiste à força popular das histórias do sítio das moças da Casa Verde e em 21 de maio de 1913 surge o bairro da Casa Verde. Sim, neste mês o meu querido bairro esta fazendo 102 anos!

A Casa Verde fica na Zona Norte e é dividida em três áreas: Casa Verde Alta, Média e Baixa, eu moro na Baixa, perto da Avenida Braz Leme. É um bairro pacato, sem muitas badalações, bem residencial. As pessoas que vivem aqui estão há muito tempo e não pensam em mudar (pelo menos os meus visinhos). Ultimamente está ficando mais agitado por conta de alguns novos empreendimentos, baladas, shows no Anhembi, mas ainda mantém aquele clima residencial.

E o que tem de bom nessa Casa Verde? Um monte de coisas, meeeuuu!

– Bar do Plínio:

Para quem gosta de peixe esse é o lugar. A especialidade do bar são as porções de pescados do pantanal e frutos do mar, além de sempre ter cerveja bem gelada e um bom atendimento. O ambiente é super gostoso, com cadeiras na rua e um grande aquário na parte interna do bar. Quem abastece a casa com os peixes trazidos diretamente do Pantanal é o próprio Plínio.

Rua Bernardino Fanganiello, 458 – (11) 3857-0999 – http://bardoplinio.com.br/

Bar do Plínio - Divulgação

Bar do Plínio – Divulgação

– Mr. Cheney

Melhor cookie ever! Hoje em dia você encontra um quiosque ou lojinha Mr. Cheney em vários shoppings e até em faculdades, mas quase ninguém sabe que a primeira loja surgiu na Casa Verde, em 2005, há! Eu tenho o privilegio de comer esse cookie maravilhoso desde seu começo (chupa Bauducco com aquele cookie medonho).

A Mr. Cheney surgiu quando o casal brasileiro Lindolfo e Elida Paiva, amigos do cookieman Jay Cheney, da Califórnia, decidiram aprender os segredos do verdadeiro cookie americano para trazê-lo ao Brasil. Além dos cookies, você pode provar panquecas, brownies, wraps, cheese cake. Adoro tomar café da manhã lá.

Rua Padre Antonio D’Angelo, 142, Casa Verde – (11) 3596-3293 http://www.mrcheney.com.br/

Mister Cheney - Divulgação

Mister Cheney – Divulgação

– Arte em Pastel

Lugar tradicionalíssimo da Casa Verde! Quantas vezes saímos do colégio direto para o “Pastel do Tolosa” para almoçarmos. Chamávamos por esse nome porque ficava em frente ao colégio Benedito Tolosa. Hoje mudou para uma casa maior em frente à Praça Centenário para acomodar melhor os clientes que aumentaram bastante devido à fama do pastel, que é verdadeira. Eles já faziam pastéis com sabores variados antes de virar moda, o meu preferido é o de peito de peru com provolone.

Rua Baroré, 83 – Casa Verde – (11) 3857-3156 – http://arteempastel.com.br/

Arte em Pastel - Divulgação

Arte em Pastel – Divulgação

– Vila do Samba

Uma casa antiga, muito charmosa, que foi uma vila operária é um dos redutos do samba na Casa Verde. Ao entrar você vê um corredor ao ar livre com bancos, vasos de plantas e um churrasquinho para matar a fome. No final do corredor encontra um galpão grande com bar e o samba rolando em um palco que fica no meio das mesas, remete aos sambas de roda. Vem gente de todo canto da cidade para curtir o lugar.

Rua João Rudge, 340 – Casa Verde – (11) 3858-6641 – http://www.viladosamba.com.br/

Falando nisso, o bairro da Casa Verde é um importante reduto do samba, sabia? Se você pensa que só o Bixiga tem samba no pé, está redondamente enganado. Sem querer me gabar, mas já me gabando, o grande Adoniran Barbosa fez um samba chamado Morro da Casa Verde… hehehe… (beijinho no ombro).

As quadras de grandes escolas de samba então no bairro e nas proximidades: Mocidade Alegre, Império de Casa Verde, Camisa Verde e Branco, Rosas de Ouro e Unidos do Peruche. Claro que um dos fatores para as escolas de samba estarem nesta região é a localização do Sambódromo Anhembi, que fica na Olavo Fontoura, assim fica mais fácil transportar os grandiosos carros alegóricos.

– Sabino´s Calçados

Essa loja um dia será tombada como patrimônio da Casa Verde. Desde que eu me mudei para cá ela existe e o seu diferencial é o dono, o seu Sabino de Souza Felippe, uma figura super simpática que nasceu e foi criado no bairro da Casa Verde e você pode facilmente vê-lo andando pela loja. Não conheço quem more na Casa Verde e nunca tenha feito uma compra na Sabino´s.

Sabino´s Calçados - Divulgação

Sabino´s Calçados – Divulgação

O que eu mais gosto é a simplicidade do bairro. Temos praças, padarias, mercados, ruas calmas para passear com os filhos, cachorros…  A Avenida Braz Leme tem uma pista de corrida e ciclovia que vai até Santana – é onde faço minhas corridas dominicais.

Praça do Centenário

Praça do Centenário

E para quem gosta de ser natureba, não precisa ir até o Parque da Água Branca para comprar produtos orgânicos. Recentemente descobri uma horta urbana orgânica na Casa Verde! Transformaram um terreno abandonado da Eletropaulo em um espaço para cultivo de legumes, é ótimo poder comprar produtos frescos colhidos na hora. A horta fica na Rua Frederico Penteado Jr.- 308, próximo à Avenida Casa Verde.

Horta Orgânica - Divulgação

Horta Orgânica – Divulgação

Nos últimos anos as construtoras descobriram o bairro e estão surgindo muitos prédios… Uma pena, pois as casas antigas e charmosas estão sumindo… Contudo, esse é o curso natural das cidades, né? Só espero que não mude essa essência tranquila e amigável do bairro.

Neste mês de aniversário da Casa Verde estão rolando alguns eventos para comemorar. No site da Prefeitura tem a programação completa.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/casa_verde/noticias/?p=57123

bjussss

Fabi.

Anúncios

Bairros de Sampa | Minha Lapa

Se tem um bairro de que eu gosto muito, aqui em Sampa, é a Lapa. Localizado na Zona Oeste da cidade, o bairro reúne um grande centro comercial (em torno do Mercado Municipal e da Rua 12 de Outubro) e pontos de prestação de serviços (como o Poupatempo e a Polícia Federal), além de ter ótimas opções culturais (bares, restaurantes, biblioteca e teatro, por exemplo).

Mas falar da “minha Lapa” significa falar da Lapa da Baixo, Lapa de Cima, Alto da Lapa, Vila Ipojuca, Vila Romana… É, aqui em São Paulo é tudo junto e misturado.

Localização bairro Lapa São Paulo

O primeiro registro sobre a Lapa data de 1581, quando os jesuítas receberam uma sesmaria na região (lote de terra cedido pelo Rei de Portugal para povoar uma área); mas somente em torno de 1880, o bairro começou a tomar forma de centro urbano. As propriedades rurais começaram a ser loteadas, o que atraiu a chegada de muitos estrangeiros, principalmente italianos (ma cheee!). Por isso, inclusive, você encontra ruas como Roma, Coriolano e Cipião na chamada Vila Romana. Capisce?

Você chega à Lapa de várias maneiras e é bem fácil. Suas principais vias são a Rua Clélia (que segue sentido Centro) e a Rua Guaicurus (que segue no sentido Bairro). Nas paralelas e transversais a essas avenidas está o charme do bairro, que ainda conta com um terminal de ônibus bem organizado e duas linhas de trem CPTM: Linha 7 Rubi (parte da São Paulo Railway, de 1899) e a Linha 8 Diamante (parte da Estrada de Ferro Sorocabana, de 1958).

Mercado da Lapa

Fonte: site Mercado Municipal da Lapa

 

Como eu disse antes, o centro comercial do bairro está em torno do Mercado Municipal e é por ele que vamos começar esse passeio.

 

Mais conhecido como Mercadão da Lapa, tem dezenas de lojinhas de frutas, legumes e verduras, carnes e peixes, ervas e até embalagens, enfeites de festa e panelas de alumínio. Esta semana mesmo estive lá comprando manteiga a granel, entregue enrolada em papel de pão! Adoro!

Ali mesmo no Mercadão, começa a principal rua de comércio popular: a Rua 12 de Outubro. É uma ladeira com lojas de ambos os lados. Roupas, calçados, bijouterias e utensílios domésticos. E em uma das travessas começa a Rua Monteiro de Melo, com inúmeras lojas de móveis de madeira maciça e planejados. Se sentir falta de shopping, o bairro também oferece. Com lojas mais populares e uma pequena praça de alimentação, ainda assim é um shopping! Rsrs

Se você seguir pela Rua Guaicurus, próximo ao Terminal de Ônibus, você vai encontrar lugares interessantes e bem ecléticos para uma mesma rua:

Mapa bairro Lapa São Paulo

1. Estação Ciência; 2. Casa Cultural Tendal da Lapa; 3. Poupatempo; 4. Serralheria Espaço Cultural; 5. The Week; 6. União Fraterna (Fonte: Google Maps)

  • Estação Ciências (#1 Rua Guaicurus, 1274): Um centro de difusão científica, tecnológica e cultural, instalado em uma antiga fábrica com fachada de tijolinhos vermelhos. Ela é mantida pela USP e tem muitas experiências divertidas; programa para crianças de todas as idades! Mas por ora, o espaço está em reforma e o atendimento suspenso. No site não há indicação de data de retorno.
  • Casa Cultural Tendal da Lapa (#2 Rua Constança, 72 – altura do nº 1.100 da Guaicurus): Iniciou suas atividades quando o Grupo Teatro Pequeno promoveu uma “invasão cultural” no antigo prédio de um entreposto de carnes da região, o Tendal da Lapa, em 1989 – hoje, Patrimônio Histórico Municipal. E ali está até hoje, mesmo depois de quase ser expulso para a instalação de um Poupatempo. O centro cultural oferece inúmeras atividades artísticas e até atividades de inclusão social para pessoas com deficiência física ou mental.
  • Poupatempo (#3 Rua Guaicurus, 896): Após brigas e acordos, o Poupatempo Lapa foi construído em parte do Tendal da Lapa. A fachada do prédio é muito bonita, com tijolos aparentes, mantendo as características do antigo prédio.
  • Serralheria Espaço Cultural (#4 Rua Guaicurus, 857): É um desses espaços que surpreendem em São Paulo. Em uma antiga serralheria, quatro amigos se uniram em torno da arte. Ali eles trabalham suas expressões artísticas, principalmente com música. O espaço conta com um bar e um estúdio onde rola a programação semanal.
  • The Week (#5 Rua Guaicurus, 324): Uma das maiores casas de shows e festas de São Paulo, com eventos voltados para o público GLS. Tem 6 mil m², ambientes distintos, incluindo um deck com piscina!
  • União Fraterna (#6 Rua Guaicurus, 33): Um prédio de 1934, tombado pelo Patrimônio Histórico e que ainda abriga a União Fraterna com atividades voltadas para a terceira idade, incluindo o seu tradicional Baile da Saudade.

Agora, subindo sentido Alto da Lapa, você pode desfrutar de outras atrações, como:

Mapa bairro Lapa São Paulo pontos turísticos

7. Biblioteca Municipal; 8. Teatro Cacilda Becker; 9. Praça Cornélia; 10. Grupo Pia Fraus; 11. Sesc Pompéia (Fonte: Google Maps)

  • Biblioteca Municipal Mário Schenberg (#7 Rua Catão, 611): Conta com um acervo de 60 mil exemplares e 700 livros em braile, além de uma programação recheada de atividades educativas, como teatros, oficinas, shows e contação de histórias (aliás, programação que é desenvolvida por nossa amiga Melina Campanini – um salve à Meê!!).
Biblioteca Municipal Mario Schenberg

Biblioteca Municipal Mario Schenberg

  • Teatro Cacilda Becker (#8 Rua Tito, 295): O teatro municipal foi construído, em 1988, para atender uma carência da região. Em 2009 foi reinaugurado reformado. O espaço tem uma programação mensal que você pode consultar no site, e inclui peças teatrais e shows a preços amigos ou até mesmo gratuitos.
  • Grupo Pia Fraus (#9 Rua Coriolano, 624): O grupo, que há mais de 30 anos, realiza espetáculos com máscaras, bonecos, danças e técnicas circenses tem seu QG na Lapa. Passar em frente dele pode ser assustador, principalmente à noite… Se você tem medo de bonecos, atravesse a rua!
Vitrine Grupo Pia Fraus

Vitrine do Grupo Pia Fraus à noite, com seus bonecos assustadores

  • Praça Cornélia (#10 Rua Clélia, altura no número 800 – entre as ruas Cláudio e Crasso): A praça fica localizada em frente à Paróquia São João Maria Vianney, de 1932, e abriga a Feira de Artesanato, Antiguidade e Comida Típica, que acontece todo sábado, com barraquinhas, atividades para as crianças e apresentações musicais.
  • SESC Pompéia (#11 Rua Clélia, 33): Ficamos em dúvida se o SESC Pompéia ainda seria Lapa ou Pompéia (como o próprio nome diz!), mas como está na Rua Clélia, que citamos como importante logradouro do Bairro da Lapa, cá está. O SESC foi construído nas antigas instalações de uma fábrica, em 1986, com projeto da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (a mesma que projetou o MASP). As instalações foram tombadas, em 2009, pelo Conpresp (órgão municipal de proteção ao patrimônio) e este ano, foi consagrado patrimônio cultural do Brasil. Se você não conhece ainda, vá. O lugar é lindo, tem uma super programação e as delícias da cafeteria do SESC…

Falando em delícias, ainda mais depois desse passeio, fique sabendo que a Lapa tem várias opções interessantes para comer e beber. Listamos nossas preferidas aqui:

Mapa bairro Lapa São Paulo onde comer e beber

12. São Paulo Dog & Burger; 13. Honey Café; 14. Armazém Cerveja Gourmet; 15. Bar Bezerra; 16. Pain à Table (Fonte: Google Maps)

  • São Paulo Dog & Burger (#12 Rua Catão, 763): Decorada ao estilo vintage, serve o melhor milk-shake de Chicabon ever! Super cremoso e sem miséria (o copo é grande).
São Paulo Dog & Burger

São Paulo Dog & Burger

  • Honey Café (#13 Rua Coriolano, 1436): Para os íntimos, Café do Panda! Uma casinha fofa dentre outras casinhas da Vila Romana. Passaria despercebido se não fosse o banco de madeira na porta. Entre e prove os biscoitinhos em formato de urso, os doces (uma delícia a éclair de pistache!) as bebidas à base de café ou os salgados, feitos também para os veganos. Ah, tem almoço, inclusive, aos sábados.
Honey Café

Honey Café ou Café do Panda 😉

  • Armazém Cerveja Gourmet (#14 Rua Tito, 400): Barzinho de esquina onde o legal é sentar nos balcões – no bar central ou nas janelas, seja de fora pra dentro ou de dentro pra fora! A especialidade da casa é cerveja. E para quem adora garrafas e rótulos, como eu, a exposição delas é de encher os olhos, porque ficam em uma estante, do chão ao teto.
  • Bar Bezerra (#15 Rua Coriolano, 800): Outro bar de esquina (parece que na Lapa, os bares estão todos estrategicamente posicionados) que também tem cerveja como especialidade. São dois andares com decoração bem interessante, utilizando muita madeira de demolição e objetos antigos (desde cadeira de barbear até um fogão que virou pia), além de cédulas de diversos países sob a escada e capas de disco no teto. O bar tem uma boa carta de cervejas de todo o mundo e sempre tem as promoções do dia. E se você gosta de futebol, os jogos são projetados em uma telona do outro lado da rua.
Bar Bezerra

Bar Bezerra – cervejas especiais

  • Pain à Table (#16 Rua Coriolano, 301): Uma pequena e charmosa padaria artesanal que tem pães com grãos, nozes, queijos, ótimos croissants e um delicioso pão de queijo (importante: foi muito bem avaliado pela nossa amiga Fabi, degustadora oficial de pão de queijo aqui do EXPLORAsp). Nos foi dito lá, que o local tem movimento fraco durante a semana, mas bomba aos findis. Por isso, #ficaadica: se quiser provar o pão de queijo, conte com a sorte, porque eles assam poucas unidades por dia e é difícil encontrar.
Pain à Table

Pain à Table – pães artesanais

E assim é a Lapa. Pelo menos parte dela. Pelo menos por enquanto, pois as construtoras redescobriram a região e a cara do bairro está mundando.

Quer fazer um passeio diferente? Vá até a Lapa bater canela, como diria minha mãe!

Bjs Carol